Aqui listamos algumas dicas que podem ser úteis a quem visite a capital espanhola. Algumas testamos e aprovamos. Outras nos indicaram, mas não deu tempo. Há ainda aquelas que são a desconfiança de que de outra maneira teria sido melhor:

Transporte

– Comprar um bilhete com desconto turístico no aeroporto foi ótimo negócio para nós. Cada viagem deve custar entre € 1,50 e € 2, e entrar e sair do aeroporto, mais € 3. Os descontos turísticos são de diferentes valores de acordo com o número de dias em que você fica na cidade. No nosso caso, € 25 para 5 dias. Você pode comprar o abono turístico na saída do aeroporto, que tem metrô integrado, nas mesmas máquinas que vendem tickets regulares (Mais info).

– Para quem vai se hospedar no Centro, é melhor calcular quanto metrô ou ônibus será necessário. Nas partes turísticas, como imediações da Praça do Sol, as estações de metrô estão muito próximas, é possível fazer muito a pé.

Hospedagem

– Ficamos hospedados com couchsurfing a maior parte do tempo. Mas chegamos com uma reserva no Hostel Era Alonso Martinez, que nos pareceu mais garantido caso fizessem perguntas na migração. Prático, limpo e organizado.  € 7 a cama em quarto para 6 pessoas. (Serrano Anguita, 11, Planta baja, Centro de Madri)

– Há muitas opções de hospedagem nos sites agregadores: tripadvisor ; booking ; hostelbookers ; etc. Sobre localização, sempre depende da sua intenção na cidade. Mas a maioria das atrações está entre o Parque do Retiro/ Paseo del Prado e ao redor da Praça Maior.

Comida

Mercado San Miguel: não espere tapas grátis, mas duvido achar uma ruim. A qualidade da comida salta os olhos, como deve ser num espaço gourmet. A estrutura de ferro e vidro é bonita e está sempre cheio.

– Perto do Mercado San Miguel, comida boa, atendimento ótimo: La dragona (Calle de la Ciudad Rodrigo, 9). Menu a €9, simpatia, não tem preço.

– El Tigre (Calle de las Infantas, 30) oferece com cada bebida tapas boas (não ótimas), mas fartas. Busque na hora da fome.

Tapas gostosas e lindo balcão com ar tradicional para repousar sua caña: Taberna la Dolores (fundado em 1908, ainda lotado…), (Plaza de Jesús, 4). Há muitos outros bares e restaurantes nesta região, “atrás” do museu Thyssen-Bornemisza (e do Paseo del Prado).

– Aliño: menu (majoritariamente) vegetariano, comida fresca, saudável e saborosa. € 7. (Calle Espíritu Santo, 2, Malasaña) Na mesma rua há muitos outros restaurantes que parecem legais, vegetarianos ou não.

– Não comemos peixe em Madrid, mas nossa anfitriã informou que a cidade é o segundo maior mercado do mundo, atrás de Tokyo. Ela trabalha com isso (!) garantiu que frutos do mar podem ser mais frescos aí do que à beira mar. Fica a dica para os loucos por paella!

– Se você tiver uns €40 para investir em um menu, mais a bebida, pode comer no Sobrino de Botin, restaurante mais antigo do mundo!

Para começar a ver

– A exemplo de outras cidades turísticas na Europa, é fácil achar um free tour e conhecer uma parte da cidade com guia, à pé. Sempre mostram algumas curiosidades também. Doações aos guias são facultativas (mas justas!). Em Madrid há grupos em inglês e espanhol saindo às 11h e 14h de frente do escritório de informações turísticas na Praça Maior.

– Malasaña e Lavapiés são ótimos bairros para conhecer. Mistos de reduto gay, conjunto de lojas, bares e restaurantes descolados – e não necessariamente caros. Aliás, é famoso o mercado de pulgas El Rastro, aos domingos, em Lavapiés (mas já não estávamos na cidade).

– Os museus oferecem vários tipos de desconto e todos têm uma faixa de horário grátis, confira nos sites. OBS.: A entrada para jornalistas (mesmo sem a carteira internacional) é grátis no Reina Sofia, no Thyssen-Bornemisza (que não informa isso no site) e no Museu do Prado, os três principais da cidade.

– Vale a pena organizar a visita aos museus com antecedência, especialmente se você gosta muito de arte. Também faz sentido checar os horários de visitas guiadas. Entreouvimos partes de explicações, e sempre foi interessante. Até o menor é muito grande para ver tudo em um único dia.

– O Palácio Real poderia ser mais bonito, mas maior não há! Tem 340 quartos!

– Não chegamos a visitar o Bairro das Letras, mas deve valer à pena para achar a casa do Cervantes e do Lopes de Vega.

– Nos recomendaram subir ao mirante do Palácio Cibeles (em frente a praça com o mesmo nome) para uma vista privilegiada da cidade. Não vimos! Não sabíamos que fecha para almoço. € 2.

– O Parque do Retiro é excelente lugar para tomar um sol – e arranjar uns patins!

– As touradas estão lá para quem quiser ver (preferimos não pagar para que matem o touro!).

– O Real Madrid é potência na cidade! Há referência em toda parte. Os preços na loja oficial são maiores que dos mesmos produtos no Brasil. Para quem gosta de futebol, vale a visita ao estádio Santiago Bernabéu. É possível uma vista guiada a €19 para adultos. (Mas optamos por um jogo!)

 

4 thoughts on “Se você for… a Madrid!

  1. Camarada,

    Vi no mochileiros.com que você fez algumas perguntas sobre a imigração na Espanha em sua RTW. Irei com minha namorada fazer algo parecido também e entraremos na Europa também pela Espanha. Nós não teremos todas as reservas (para 90 dias na Europa) e, provavelmente, também não teremos uma passagem de saída já comprada. Como funcionou com você?

    Abraços,
    Rafael

    1. Oi Rafael, tudo certo ?!

      Chegamos lá com todos documentos possíveis e imagináveis. Holerite do último mês no trabalho, extrato do banco, confirmação de booking de 1 noite de hostel apenas e as passagens de ida e volta. Apenas nos perguntaram se estávamos a passeio, onde pensávamos ir carimbaram sem pedir nenhum documento. De qualquer modo a estratégia de reservar uma ou duas noites de hostel deve ser suficiente e no nosso caso, como disse, compramos uma passagem de ida e volta, pois era até mais barato que só ida, saiu por R$ 1300. Se quando você for comprar as coisas estiverem muito mais caras, você precisará comprovar que vai sair de algum jeito da Espanha, ou melhor, da área de Schengen em 90 dias, então pode de repente comprar um voo ultra low cost pra algum lugar ou de repente pro Marrocos (ah é, nós tinhamos isso também, compramos um voo Madrid-Marrakesh, mas ainda voltamos pra Espanha depois, então o voo de volta pro Brasil tinha essa utilidade também…) !

      É isso, qualquer coisa pode perguntar que a gente tenta ajudar, abraço !!

  2. Opa, legal! Acho que o nosso caminho será uma passagem para o Marrocos como comprovante de saída de Schengen. J’a compramos a passagem, apenas ida, e queríamos deixar aberta a saída da Europa, mas parecer ser mais seguro para nossa entrada ter essa passagem em mãos.

    Também iniciaremos a Europa em maio, como vocês, mas j’a vamos ter partido da América Central em marco.

    Um grande abraco e boa viagem.
    Rafael

    1. Boa viagem camarada! Se quiser curte nossa página lá no Facebook e manda seu contato pra gente acompanhar também caso resolvam fazer página ou só publicar as fotos pra gente lembrar de lá 😀 Abraço !

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *