Passamos por Sarajevo e Mostar. Descobrimos na Bósnia e Herzegovina um país incrível! Pessoas acolhedoras, tanta história a ser contada, a melhor comida da região, café saboroso e paisagens deslumbrantes. Pena que trilhas na mata sejam ostensivamente desestimuladas pelo ainda alto risco de explosão de minas terrestres. Mas tudo o mais se pode aproveitar no país que, dizem, começou e encerrou o século XX.

O título, infelizmente, está diretamente conectado às guerras: a I Guerra Mundial e a Guerra da Bósnia, que aconteceu pelo fim da Iugoslávia. Nela os moradores de Sarajevo passaram pelo maior cerco da história moderna. Entre os resultados concretos do conflito estão, além dos milhares de mortos, a ainda existente separação do país em áreas de acordo com a origem étnica da maioria da população. Daí a “Republica Srpska” ter até seus trens! Para conhecer esse grande caldeirão de culturas – apesar do recente passado violento, muçulmanos, ortodoxos, católicos e (hoje poucos) judeus seguem sobre a mesma terra como há séculos – os brasileiros não precisam de visto para entrar.

A moeda é o marco bósnio. Neste post fazemos anotações com valores em euros para facilitar comparações com outros países da Europa.

SARAJEVO

Atrás do Museu de História, no café que homenageia Tito

Difícil definir o que gera encantamento na capital da Bósnia e Herzegovina, mas o fato é que a cidade é maravilhosa desde a turística Baščaršija, a parte mais turística e muçulmana até os antigos prédios do período dos austro-húngaros e as “caixas” de concreto construídas na Iugoslávia comunista. As montanhas ao redor de onde snipers aterrorizaram civis por 1425 dias de cerco já se reconstituíram em verde e o rio Miljacka corre pela cidade de ponta a ponta.

TRANSPORTE

Verifique trens e horários nos sites: trens da Republica Srpska e trens da Bósnia

Ônibus saindo de Sarajevo: consulte aqui ou aqui. Havia saídas diárias para Mostar.

HOSPEDAGEM

Ficar na região da Baščaršija é a melhor opção para “turistar” na cidade. Dali as principais atrações estão acessíveis a pé e para ir mais longe é só apostar no sistema de tram (bondes elétricos). Aliás, é o sistema mais antigo da Europa, foi implantado como teste para os de Viena. As passagens podem ser compradas diretamente com o condutor, não esqueça de marcar o bilhete na máquina para validá-lo. Aqui há um mapa das estações.

Uma boa referência de hostel – apesar dos banheiros minúsculos e cozinha apertada – é o limpíssimo Hostel for Me. Tivemos problemas apenas para entrar na fatídica noite da fronteira… Mas na realidade tem staff simpático, quartos iluminados e área comum confortável.

RESTAURANTES

Sarajevo vai mesmo tratar bem seu paladar. São deliciosos os legumes recheados com arroz e carne; o ćevapčići, um sanduíche recheado com bolinhos de carne (em formato de dedo), servidos com um creme (tipo iogurte) e o burek, item mais famoso da culinária local – um pãozinho especial de massa muito leve com recheio de carne, queijo ou batata.

Ah, claro, o café! Parece com o turco, mas para não ofender ninguém, diga “café bósnio”. Abra com a colherzinha um espaço para o líquido sair do recipiente para o seu copo com menos pó. O café bósnio, assim como o turco, não é coado, mas decantado. Portanto, não beba até o último gole ou sua boca vai ser puro pó. Beber café é mais que ritual e tradição na Bósnia. No nosso hostel a receita do bom café (estampada na parede e praticada toda tarde pelos funcionários) incluía amigos em torno da mesa.

Os doces também se aproximam muito dos da Turquia, como a baklava – massa foleada melada, recheada com diferentes  castanhas e pistache.

Comer bem é fácil em Sarajevo! Aqui algumas dicas que estão todas na Baščaršija (muitas mais estavam em um mapa que o Neno – explicamos quem ele é a seguir – dá a quem participar dos seus tours, mas infelizmente perdi minha cópia!)

– Morica Han – um pouco mais caro que os demais, está dentro de um pequeno mercado (com mesmo nome). A comida é saborosa e o lugar é super agradável com uma linda árvore entre as mesas externas. Café bósnio excelente. O atendimento também não deixa a desejar. Ufa, que delícia! Saraci 77.

– Aščinica – a comida mais gostosa que provamos, com menos cara turística e mais chance de saborear várias coisas ao mesmo tempo já que o restaurante é buffet (você entra, aponta o que quer que seja colocado no seu prato e paga pelo peso). Veliki Čurčiluk, 59.

– Os dois lugares mais badalados para ćevapčići são Ćevabdžinica Specijal (Ćurčiluk veliki 11) e Ćevabdžinica Željo (Kundurdžiluk). Comemos neste segundo, estava excelente. Há uma disputa local sobre qual é o melhor e prefiro não tomar partido…

ATRAÇÕES

A cidade como ela é: descascada e nova

Conheça o Neno – Neno é um dos melhores guias de turismo que já encontramos. Ele conta com seriedade a história que viveu – era criança durante o cerco (leia mais aqui!) – e é bom contador também do que não viveu. Tudo sem piadinhas idiotas, maravilha! Se você fala inglês recomendamos fortemente que participe do Free Walking Tour que ele promove (o mesmo esquema de tantas capitais europeias, caminhamos pela cidade com o guia e contribuímos com uma gorjeta ao final). Entre no site para saber os dias e horários quando você estiver na cidade, mudam por temporada.

– Baščaršija – A esta altura este nome apareceu tantas vezes no post que está claro que não tem como não passar por lá. São inúmeras lojas de souvenirs, livrarias, cafés e restaurantes agrupados. Há também mesquitas, catedral católica e igreja ortodoxa, tudo junto e pronto para ser visitado a pé e apreciado com calma.

Galeria 11/07/95 – Exposição fotográfica e acervo de depoimentos sobre o massacre de mais de 8 mil bósnios, a maioria homens e meninos, na cidade de Srebrenica. A área havia sido declarada segura pelas Nações Unidas em 1993, e por isso muitos migraram para lá. Em 1995, o contingente de 400 soldados holandeses responsáveis por manter a paz não evitou que a cidade fosse capturada pelos soldados sérvios. O que vem depois é terrível, para dizer o mínimo, e será bem explicado na galeria. O ingresso inclui visita guiada, mas é possível passar horas pesquisando o material reunido aqui entre áudios, vídeos e outros. (Trg fra Grge Martica 2/III, ao lado da catedral, 10h-18h)

– Museu de História da Bósnia e Herzegovina – Não perca (!!!) uma visita a este museu e a sessão a respeito do cerco à Sarajevo. É no mínimo uma exposição emocionante, e um ótimo exemplo do que se pode fazer com pouco dinheiro e muita boa vontade em um prédio que ainda mostra as marcas da guerra (marcas que aliás estão em boa parte da cidade). Aqui contamos mais sobre o que vimos lá! (Zmaja od Bosne 5, confira os horários no site oficial)

– Participamos de um tour do tipo que não gostamos, bem cheio, porque era a maneira mais fácil e econômica de ver o famoso túnel que serviu como única ligação de Sarajevo com o mundo exterior na época do cerco. Ele passa por baixo de onde funciona o aeroporto, mas a parte aberta à visitação é muito curta (talvez 30m). Não estamos seguros se vale à pena ir lá… estão em exposição objetos do período, mas há muito mais no museu de História. (Existem também tours privados, o Neno, por exemplo, oferece…)

– Vijećnica/City Hall – Acabam de reformar em 2014 e inauguraram nas celebrações do centenário do assassinato de Sarajevo o prédio da antiga biblioteca/centro de documentação do país, de arquitetura mourisca e totalmente destruído durante a última guerra. É bonito mesmo, mas só nos foi permitido ficar no salão central. A entrada ainda era gratuita, mas isso logo vai mudar segundo nos contou um dos guardas…

– Encontramos informações contraditórias sobre a validade de visitar ou não o Museu Sarajevo, que trata basicamente do assassinato de Ferdinando I, que aconteceu na esquina em que está localizado. Não fomos, mas ao menos na porta você vai passar… Bem de frente fica a famosa “Ponte Latina” – há quem diga que o assassinato foi na ponte, mas não foi não… (Zelenih Beretki 1)

– Consideramos ir à pista de Bobsleigh onde se realizaram as provas na Olimpíada de Inverno de 1984. O lugar foi usado de quartel para atacar a cidade nos anos 1990 e hoje é uma mistura de abandono e grafittes que parece bem interessante. Acabamos desistindo. Algumas agências levam. Nós não conseguimos concluir exatamente como chegar de transporte público (a trilha está marcada nos mapas do aplicativo para celulares MapsWith Me). Ah: não saia do trilho caso resolva subir sozinho! A região ainda pode ter minas terrestres enterradas, por isso é fundamental manter-se nas partes asfaltadas.

– Ao redor de toda cidade é possível encontrar impressionantes cemitérios. As lápides revelam a quantidade assustadora de mortos no período entre 92 e 95. Visitamos o cemitério Kovači a Nordeste da Baščaršija, caminhando morro acima por uma escada, onde está enterrado o primeiro presidente da Bósnia, Alije Izetbegovic. Seguindo a rua é possível ter uma bela vista da cidade e dos morros que a cercam.

– As Rosas de Sarajevo são marcas espalhadas por toda cidade, onde morteiros atingiram fatalmente civis. Os locais perfurados são preenchidos por tinta vermelha e borracha, mantendo a memória viva, apesar da insistência do governo em “restaurar” alguns pontos e eliminá-las. Um grupo protesta contra os asfaltamentos sobre as rosas na cidade.Entre outras, há ainda algumas ao redor da Catedral e no mercado central.

– O mercado (Markale) hoje é um local ótimo para comprar frutas e legumes, mas a parede no fundo e algumas Rosas lembram que ali foi palco de um dos maiores massacres no período da guerra. O mercado foi atingido por um morteiro que matou mais de 60 pessoas.

MOSTAR

Stari Most, a ponte

Cidade pequena de onde saiu uma das imagens mais famosa da guerra: o bombardeio à ponte construída pelos otomanos no século XVI, o grande símbolo local. Anos depois, reconstruíram a ponte com as pedras desmoronadas e os saltadores voltaram a pular do topo, tão logo recolham 25 euros passando o chapéu entre a multidão. Há mais do que ela, a Stari Most, para ver na região, como o lindo povoado de Počitelj e as cachoeiras de Kraviče (respire fundo antes do mergulho muito!!! gelado). Fomos de carona com o pessoal que estava no hostel, mas há agências que te levam lá – assim como a Međugorje, onde alguns católicos acreditam que a Virgem Maria tem aparecido desde os anos 1980 (um caso ainda polêmico até para a Igreja).

Mostar é, ainda, uma cidade bem conectada ao famoso litoral croata e à costa de Montenegro.

HOSPEDAGEM

Há muitas opções e a cidade é bem pequena, na verdade. Aparentemente, a proximidade da ponte eleva preços. Mas é a única observação que nos ocorre…

É mais fácil se você falar alemão (rs), mas nos entendemos bem com os simpáticos camaradas do Hostel David. Difícil imaginar hospedagem mais “caseira”. A internet não funcionava bem… mas nos divertimos muito! Eles promovem churrascos excelentes para os hóspedes. Também podem te levar de carro (preços a combinar) a lugares que queira conhecer na região. Se tiver oportunidade, peça para ir tomar uma cerveja no “Maradona”, um amigo deles, dono de um bar na beira do rio. Lugar lindo!

Počitelj, um lindo povoado

TRANSPORTE

Os horários eram complicados, nem todos os dias faziam os mesmos trajetos. Vale à pena verificar diretamente na rodoviária. Os destinos mais comuns são para o litoral da Croácia, especialmente Dubrovnik (ao sul).

Havia saídas de Mostar diariamente, às 7h da manhã, para Kotor (nosso destino), passando primeiro na Croácia, voltando a uma estreita faixa litorânea da Bósnia e seguindo para pequenas cidades na Baía de Kotor, que fica em Montenegro. Esta explicação não explicita totalmente o inferno de policiais e fronteiras que transformam a possibilidade de viajar apenas 180km em 8h de viagem por sabe-se-lá quantos quilômetros (alguns blogs falaram em 4h30 de viagem, mas 8h foi o que tivemos, juro!)

Sorte que vale à pena chegar em Montenegro, leiam a seguir 😉

 

 


2 thoughts on “Se você for… à Bósnia e Herzegovina!

  1. Ótimas dicas sobre a Bósnia. Estou indo pra lá daqui a algum tempo e não é tão fácil conseguir informações práticas e úteis. Sua página foi de grande ajuda.
    Aproveitando o gancho, sabe me dizer se no caminho inverso (Kotor a Mostar) também há transporte direto ou é necessário passar por Dubrovnik?

    1. Oi Allan, tudo bom? Passar por Dubrovnik será na prática inevitável, a dúvida fica se você terá de trocar de ônibus ou não. Dizem que existe uma condução às 14:45 de Kotor pra Mostar, sem precisar de troca, mas em outros lugares dizem que no meio do caminho você acaba sendo jogado pra outra van, mesmo que não precise se preocupar com bagagem nem nada, é mais um transtorno. A viagem é bem longa, principalmente por causa das fronteiras, mas em um dia você chega lá 😉 Grande abraço e obrigado por visitar a página!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *